terça-feira, 16 de setembro de 2008

Cinco minutos


Finalmente passa o último minuto, é hora de sair, arrumar a tralha toda, a porcaria do fio do portátil que não entra no saco, vai à força, vestir o casaco, sair porta fora, voltar um passo atrás para apagar a luz, e agora qual das 1553 chaves é que é a chave para fechar o raio desta porta, experimento uma, duas, três, convenço-me que só vou acertar na última mas finalmente lá acerto, fecho a porta, corro para o carro, o segurança? Onde está o segurança? Secretária vazia, telefone a tocar, ai se ele se lembra de atender o telefone antes de me abrir a cancela, lá vem ele, a sorrir, a querer conversa, atiro-lhe com um “por favor pode abrir-me a cancela para eu sair?”. Com certeza que sim, vou já, vou já. Ainda olha para o telefone, o maldito não pára de tocar, precipito-me para a porta, olho para ele, ele vem atrás, deixa o telefone a tocar, uma eternidade a procurar a porcaria da chave do carro, malas grandes, malas de mulheres, digo sempre que as coloco na bolsinha de fora mas nunca as encontro lá, despejar tudo em cima do carro, telemóveis, maquilhagem, chupetas, brincos, papéis e mais papéis, fraldas e onde é que estão o raio das chaves, é sempre a mesma coisa, lá estão elas, o segurança acena-me do portão, enfio tudo na mala, meto-me no carro, procuro a treta do auricular, não entendo como é que o tiro sempre direito e ele fica sempre todo emaranhado, mais uma eternidade para o arranjar e conseguir enfiar na cabeça, lá arranco e inicio viagem, e porque raio apanho todos os semáforos vermelhos, e o carro da frente parece que nunca tem pressa, e as lombas, a porcaria das lombas que me obrigam a abrandar, mas para que é que serve esta porcaria, e já na auto-estrada, o telefone a tocar, o marido a dizer “não venhas depressa, ainda tens um acidente”, que sim, que sim, digo-lhe eu, que sim, que sim, “e ainda por cima gastas muito gasóleo”, pois é, pois é, digo eu, enquanto acelero mais um bocado para depois travar, um camião a ultrapassar um camião, uma eternidade, vai desistir, não vai, devia desistir só para eu passar, a paciência a esgotar-se, os palavrões a saírem, ainda bem que tenho via verde, a última rotunda, e porque é que apanho sempre carros na rotunda, o último semáforo vermelho, a última recta, o portão ao longe, o comando já na mão e tenho que trocar as pilhas, malditas pilhas, mas será que isto nunca abre à primeira? o cão que me recebe, que corre à frente do carro, “sai lá deixa-me passar”, abro a porta, um cumprimento a correr no desgraçado, digo “bonito, bonito”, agora deixa-me passar, a porta de casa fechada, raios partam isto tudo, outra vez a procurar a chave, tudo cá para fora, finalmente lá a encontro e abro a porta e digo “onde está ele?”.
E se o segurança estivesse na secretária e as chaves na bolsa pequena e o auricular direito e os semáforos verdes e a estrada não tivesse lombas e um camião não ultrapassasse outro camião e as rotundas estivessem vazias e o comando tivesse pilhas novas e o cão estivesse preso, eu teria conseguido chegar a casa meia-hora mais cedo, no mínimo 20 minutos ou talvez 15, 15 minutos garantidamente eu iria ganhar, se calhar só 10, seguramente 10 minutos ou de certeza, mas de certeza absoluta e sem dúvida nenhuma que pelo menos 5 minutos eu teria conseguido chegar a casa mais cedo. Seriam só 5 minutos, mas seriam 5 minutos deliciosos.

8 comentários:

gasparzinha disse...

Como eu te compreendo!!
Eu tb ando sempre nessa lufa-lufa.
Beijinhos

Paula disse...

Fiquei cansada de te ler. Mas a verdade é mesmo essa, tudo nos parece demasiado lento quando saímos do trabalho e vamos ter com eles. Parece que tudo quer atrasar aquele tão esperado reencontro. E é tão bom sentir aquele cheiro e ver aqueles sorrisos...
bjs

mãe pimpolha disse...

Ufa, fiquei cansada.
Beijocas!

Vera disse...

É isto é a nossa vidinha!
Sempre num lufa-lufa
E cada minutinho com os "nossos" são sempre minutos especiais, e cada minuto conta!
Bjs

free browny disse...

os minutos são tao preciosos quando os temos!!
se são!!!!
jokinhas nossas

Maria José disse...

Por aqui anda igual ando sempre a correr de um lado para o outro esta vida não é fácil
bjs

magic-words disse...

Maes ou super-mulheres??? O dilema presiste...
Adorei!!!!

© Tété £ Xavier disse...

É mesmo assim um ENORME stress e tudo para que possamos estar o máximo de tempo com eles!
Beijos
Tété & Xavier