sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Preocupada

A Tufa foi o meu primeiro cão.
Tinha eu 13 anos, talvez.
Era um caniche branco que morreu permaturamente com veneno para ratos.
Tão prematuramente que não posso tecer comentários sobre o seu carácter.


Logo a seguir, e para compensar o desgosto, veio a Kurika.
Uma arraçada de Pekinois e que teve o mesmo destino triste que a sua antecessora.
Com mais alguns meses de duração, no entanto.
Adorava destruir todos os meus peluches.
E que ia para a varanda do meu quarto ladrar a todos os que passavam na rua.
Furiosamente.

Depois veio o Slash.
Um pastor alemão raquítico, nervoso e que mijava todos os que se lhe dirigissem num tom mais amaricado.
Roeu toda a protecção contra a humidade que eu tinha no terraço do meu apartamento.
Também roeu o banco do meu Marbella.
Deitava-se ao comprido no sofá e não me obedecia quando o mandava sair.
A dada altura rosnava-me sempre que o contrariava.
Tive que o dar. Para uma quinta com galinhas.
E onde o adoravam porque ele não fazia mal às galinhas.


Depois veio o Sebastião.
Um samoyedo lindo.
E terrível. E hiperactivo.
Quando o levava a passear para o Jardim soltava-se e metia-se no lago.
Atacava os patos e os cisnes.
Fugia de mim e eu tinha que pedir às pessoas que o agarrassem.
Roeu todas as gavetas da minha cozinha. E os rodapés. E os móveis.


Depois arranjei-lhe uma namorada. Para o acalmar.
Era a Alice. Era muito gaja, esta cadela.
Com um ar de santa mas tinha feito a escola toda.
Fez muitas vezes o Sebastião pagar pelas asneiras dela.
Uma cabra, portanto. E indomável, como ele.

Como dois me parecia pouco, veio a Natasha.
Uma pastora alemã preta.
Linda e gigante.
Arrastava-me na rua.
Sabia bem a força que tinha e nunca consegui fazer nada dela.
Umas palmadas para ela eram brincadeira e atirava-se para cima de mim para brincar nos momentos em que a tentava repreender.
Destruíu por completo uma casa de banho.
Deixie-a lá fechada por acahr que nos azulejos ela não tinha hipótese de destruir nada.
Ao fim de duas horas os armários estavam no chão, os cremes roídos, o pó talco espalhado.
Nem a dentadura da minha tia avó escapou.

Este trio desfez-se por ser insustentável num apartamento, semi-destruído por ele.
E veio a blue. Uma yorkshire miniatura que não me arrastava nas ruas, não tinha altura para mandar abaixo armários e não chegava às gavetas da cozinha.
Nunca foi do género de destruir, mas ladra que se farta.
Não a consigo calar.
E é teimosa. Eu digo não, ela diz sim.
Eu canso-me. Ela ganha.
E é por isso que às 6h da matina a enfio na minha cama, que a deixo deitar-se no sofá e que lhe vou dando qualquer coisa quando estou à mesa.

Quando mudei de casa e tive um canil, vieram dois rafeiros alentejanos.
Ele, o Caramelo, tinha 50 kg de teimosia. Não andava à trela e uma vez tive que o rebolar tipo croquete estrada a cima porque ele se recusou a dar um passo. Tive que lhe comprar uma coleira especial para ele não ladrar de noite. Nunca deu a pata, nem se sentou, nem deitou. Também nunca fez de morto. Até ao dia em que morreu, atropelado.
Ela, a Cachopa, faz-se de surda. Nunca obedeceu a uma única ordem minha. Nem sequer liga ao "Toma!". Ignora-me por completo.

Depois, temos a excepção à regra. Outro Samoyedo: o Kiko. O único de todos os cães que tive até hoje que me atrevo a passear sem trela. Senta-se, e deita-se e dá a pata. E vem sempre que o chamo. O único.
O único, também, que não foi educado por mim. Chegou-me às mãos já com 6 ou 7 anos.

É por tudo isto que estou preocupada.
Sem querer comparar o meu filho com os meus cães, mas comparando.
Com os meus dotes de educadora.... isto promete.
Ai promete, promete.

9 comentários:

Tânia,Ângelo e Martim disse...

Eheheh deixa lá ag vai ser muito melhor, n comparando mas eu tb faço isso dizem que quem teve cães primeiro de filhos que a educação destes será melhor, ora se o meu labrador é um doido e um menino da dona, faz bué asneiras e eu descuplo-o sempre, tou descansada com o meu filho vai ser na linha.. ou não.. ehehehe!
beijocas nossas

Edith disse...

Ai, ai, o que é que uma coisa tem a ver com outra? De certeza que não queres comparar animais com crianças? Lol
Vais ver que vai ser muito diferente, se bem que eles ( os nossos bebés) por vezes façam de nós aquilo que querem... E ainda nem um ano têm! LOL
bJ e bom fds

mãe pimpolha disse...

Os meus gatos são uns mimados, mas tb são uns irrequietos, por isso o Edu já está no bom caminho.
Beijocas

Sofia disse...

Looooooool
Deixa lá, parece a minha vida com os gatos...Ainda eu me queixava! Ganhaste-me aos pontos em número de concessões, LOL
O teu relato lembrou-me um pouco o livro Marley&Eu, do John Grogan, que eu ADOREI.
Bjinhos e bom fim-de-semana

Carla disse...

Gostei muito de ler este teu post, pois também tenho alguns cães entre os quais uma yorkshire miniatura que não pára um minuto quieta, dá saltos enormes e não é dada limpa.Nunca a consegui educar.
bjos

Maria Vicente disse...

Primeiro que tudo parabens atrasados (ja não vinha aqui à uns dias), tudo de bom para ti.
Segundo; fazes muito bem em pedir ao Pai Natal Sergio, ele vai ouvir concerteza.
Terceiro; vais cinseguir sim, os canitos eram mesmo "surdos", deixa lá.
Beijocas.

Mar Gui disse...

Bem eu não tenho cães, tenho cinco gatos. Antigamente achava que se podia comparar ter um filho a cuidar dos gatos, se sei cuidar do animal tb sei cuidar de um filho, bem não podia estar mais enganada, continuo a adorar os meus gatos mas acho que nada tem a ver a educação de uns coma educação do meu filho, que tb me preocupa mesmo muito :/
beijocas

Mamã Pirata disse...

HAHAHAH!

Kikarago tu desculpa mas tens um historial cm cães invejável.

a piada está nas tuas descrições.
Eu tive uma caniche 14 anos e jurei nunca mais ter nenhum desde que ela morreu (de doença).

são criaturas mto meigas e de excelente companhia ,mas ela era realmente mto estridente e ladrava mto.

...qto á educação cm o teu progenitor n tem nada haver.

MareSol disse...

Bem!
Analisando por esse ponto de vista!
Eu acho que vou ser uma excelente educadora!
Então aqui vai, tudo o que o meu "Julio" (cão) faz:
-Senta;
-Deita;
-Anda na rua sem trela;
-Dorme na cama dele;
-O sofá é dos Doninhos;
- Não pedincha durante as refeições;
-Não sabe ladrar;
-Vai buscar os brinquedos;
-Vai buscar a toalha para lhe limpar o focinho;
-Só bebe agua do bidé, da torneira do bibé!
-Não estraga nada...
...Perfeito não!!!...
Hum! não me parece que o Daniel vá ser um anjinho!
LOL
Beijos