domingo, 27 de julho de 2008

Duas mães

Hoje fomos ao Zoo.
Talvez fosse do calor, talvez fosse do cansaço, talvez fosse apenas sede. Mas a dada altura - fora de horas - o Vicente achou por bem mamar do peito.
Sentei-me no primeiro banco que me apareceu (longe vão os tempos de fundamentalista sobre dar de mamar em público), mesmo em frente aos chimpanzés.
A dada altura descobri uma mãe chimpanzé, com um bebé pequeno ao colo, a mamar. Lançamos olhares furtuitos uma à outra até que, já sem pudores, nos fixamos mutuamente. E ela lá estava, à sombra, como eu. A dar peito, como eu. A apoiar o seu bebé no seu braço, tal como eu apoiava o meu. A afastar os chimpanzés mais pequenos como eu, delicadamente afastava as crianças que se aproximavam. E a olhar-me, como eu a olhava a ela.
Apetecia-me ter falado com ela. Quis perguntar-lhe que idade tinha o filhote dela. Se mamava bem. Se era conversador. Se sofria nestes dias mais quentes. Se dormia bem. Se ela tinha muito leite.
Quando me vim embora acenei-lhe com a cabeça. E era capaz de jurar que ela me fez o mesmo. Afinal, eramos apenas duas mães. E iguais, como o são todas as mães.

7 comentários:

Vera disse...

hihihihihiihihi

Espetacular!!! Apenas porque mãe é mãe e o resto não importa nada...

Li este post com um sorriso de orelha a orelha

Bjs

Maria José disse...

hhehehhehheh, desculpa mas fartei-me de rir, olha deve ser assim mesmo afinal somos descendentes dos macacos e ela deve ter percebido tudinho.
bjs

pat07 disse...

:) :) Deve ter sido engraçado
Esses pudores tb já me passaram, agora é em todo o lado tal e qual um bierão

ana disse...

No inicio tb tinha muitos pudores de onde dava a mama... punha uma fralda á frente e tal... agora depois de meio mundo ter visto as minhas mamocas, já ñ há de quem esconder...........

O que escreves-te está comico e ao mesmo tempo muito sentimental... é uma mãe tal como tu e eu, a limentar o seu bebé indefeso, que precisa dela como os nossos de nós... a defende-lo dos outros tal como defendemos os nossos... no fundo uma mãe é uma mãe, seja ela um ser humano ou um macaco...

Bjs e boa semana para voces...

Ana e Duarte

Lipa disse...

Adorei a tua descrição! Mãe é mãe, sendo humana ou animal irracional.. O instinto está lá sempre! E estou convencida que é maravilhoso em qualquer situação..

gasparzinha disse...

Adorei!!
Beijinhos

Mãe da Tiz disse...

Disseste tudo! Este instinto que temos deve ser comum a todas as mães... humanas ou não!

beijos