sexta-feira, 23 de julho de 2010

A logística da coisa

Ter três filhos tão pequenos, duas delas bebés de (quase) seis meses e outro um bebé de 2 anos e 4 meses (sim, porque o Vicente ainda é um bebé), exige alguma organização logística, principalmente quando temos que nos safar sozinhas.

E eu gosto desta coisa de me safar sozinha.
Ou de tentar, pelo menos.

As saídas
São, sem dúvida, a parte mais complicada. Por isso mesmo foram poucas as vezes que me aventurei sozinha com os três.
A estratégia é simples: o Vicente tem que ir obrigatoriamente num dos lugares do carrinho das gémeas. A Maria, que é a mais sossegada, vai ao lado do irmão. E a Eva vai ao meu colo no sling.
Claro que empurrar um carro de gémeos já não é fácil. E torna-se ainda mais difícil quando no carro vai um bebé de 12 kg e outra de quase 6. A ao colo mais ums 6 quilinhos. Truque: evitar as ruas muito inclinadas e fugir dos passeios muito altos.
A coisa complica quando: o Vicente desata aos berros a dizer que quer ir para o chão. Por isso nunca me devo afastar muito do automóvel, para chegar a ele rapidamente para me pirar para casa.


Os banhos
É a parte mais fácil.
Primeiro enfio os 3 no mesmo quarto - com casa de banho - e fecho a porta.
Nesse quarto tenho que ter uma cama para as meninas (tenho uma cama de viagem montada).
Ponho as miúdas na cama, tapo com uma rede mosquiteira para impedir a Melga do Vicente para atirar coisas para cima das miúdas e vou preparar o banho do Vicente.
Enfio o Vicente na banheira dele com 50 brinquedos e dou banho à primeira.
Renovo a água do Vicente - que entretanto arrefeceu - e dou banho à segunda.
Quando elas estão despachadas, trato do Vicente.


As papas
E agora, que já estão a pensar que eu até me safo bem, vão apanhar um balde de água fria.
As papas são uma treta.
São caóticas.
O vicente grita que não quer e que quer leite e consegue sempre atrasar de tal maneira o jantar que a primeira miúda a papar já está aos berros e eu acabo por ceder aos pedidos do Vicente e desisto que ele coma e lá lhe dou leite e entretanto ela já se irritou tanto que quando chega a vez dela é um desastre, a outra de tantos gritos ouvir ou adormece exausta ou começa também a berrar e enquanto elas arrotam o Vicente já devia estar na cama e grita que quer ver bonecos e elas ficam a tentar arrotar sentadas nas cadeiras da papa e a cozinha fica cheia de fraldas de pano sujas e de pratos de papa e de fruta e colheres de plástico de todas as cores no chão, nas mesas, nas bancadas e guardanapos, muitos guardanapos todos sujos e rasgados e amarrotados.

E eu não tenho que sair todos os dias com os três.
E posso dar banho às miúdas quando o Vicente está no colégio, ou até só lhes dar banho dia sim dia não.
Mas as papas... as papas... a merda das papas tem que ser todos os dias.

4 comentários:

carmo pinto disse...

xitaaaa!
é dose é so mesmo as papas!
mas mesmo assim és uma super mae!
:)
e o papá n te dá uma mãozinha?

Lipa disse...

Há sempre cenas que não podemos mesmo evitar! Beijinhos!!

ArwenG disse...

olá! descobri ontem o blog, que adorei! Adoro o teu sentido de humor e fartei me de rir! continua assim!

Sara disse...

E papa no biberon??? O meu nunca gostou de papa na colher e tinha q ser no biberon, na chicco há uns bicos especificos para a papa...uma sugestão apenas.
bjkas
sara